espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

03
Set 15

Lido todos os dias com pessoas.

Ou melhor, lido todos os dias com pessoas que se querem suicidar. Ou matar alguém. Ou que se querem esfaquear, drogar, que perderam pais, filhos, bebés e por nascer, que perderam pernas, ombros, rosto, que tiveram acidentes, que foram enganados e enganadas, que perderam casa, família, afectos. Todos os dias trabalho com pessoas que perderam. Todos os dias trabalho com pessoas que ultrapassaram o seu limite de sobrevivência, deram o seu melhor e falharam redondamente.

Por isso, não sou insensível aos dramas e tragédias que nos entram pelos olhos. Já os sei, antes ainda de chegarem aos noticiários ou ao facebook. Se vos contasse, não posso por motivos éticos, mas se vos contasse, percebiam que a vida é apenas o que fazemos dela apesar da merda toda que acontece. A vida é um "apesar de". A nossa responsabilidade é "apesar de". Pequenos passos, muitos pequenos passos podem fazer alguma diferença.

Por isso é importante que me mantenha mentalmente e afectivamente sã. Todas estas imagens de refugiados e naufrágios me ferem, mas não mais do que tudo o resto com que trabalho todos os dias. Apesar daquilo com que lido diariamente, estas histórias impactam-me. E é isso que me permite continuar a trabalhar. 

Lamento, sinceramente, que seja preciso o choque para acordar a caridadezinha que há nas pessoas enquanto se queixam da falta de wifi ou do preço do novo iPhone ou das filas para o supermercado. 

 

publicado por Vita C às 11:27

4 comentários:
Fiquei presa nesta tua frase: "pessoas que ultrapassaram o seu limite de sobrevivência, deram o seu melhor e falharam redondamente"... é assim que me sinto ultimamente, só ainda não cheguei ao falhar por pura teimosia... As pessoas são más. Não tem caridadezinha nenhuma por nada nem ninguém... nem acredito que ajudem esta gente gratuitamente. Sim, eu sei, hoje estou muito azeda...
soumaiseu a 14 de Setembro de 2015 às 20:16

Pura teimosia e sobrevivencia :)
Vita C a 15 de Setembro de 2015 às 09:53

Trabalho com idosos e passei a ver a vida de outra forma, até a morte passei-a ver de outro modo. Não deixei de ter medo de morrer, mas em muitos dos casos com que lido diariamente parece-me que preferia morrer a "viver" assim.
Por vezes acho que me tornei insensível.
marrocoseodestino a 16 de Setembro de 2015 às 10:42

Nem é uma questao de insensibilidade, mas torna-se quase uma questao de sobrevivencia, uma tolerancia maior para a dor dos outros. Porque se tudo nos doesse nem nos conseguiriamos levantar da cama.
Tive um professor que dizia que isto era como nadar com alguem. Estamos lá, apoiamos, mas nao nos afogamos.

Mas é duro, sim!
Vita C a 16 de Setembro de 2015 às 13:29

Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Visitantes
Por aqui
online
blogs SAPO