espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

06
Jul 15

Custa-me a crer nas falácias fáceis e hipócritas.

Como se o referendo na Grécia fosse um impor de termos aos restantes países da zona euro, assim um zé povinho dixit "Ah e tal, nós queremos ajuda mas nos termos que nos interessar definir". 

Esta é uma mentira pegada e quem espalha esta farsa nem sequer o pode fazer de boa fé. A Grécia precisa e necessita urgentemente de solidariedade europeia, é certo. Ainda assim, tem o direito de rejeitar, recusar e banir termos que nem se ficam por ser indignos, na verdade, trata-se de terrorismo social.

Por outro lado (e é este o lado que os falaciosos da Europa se esquecem de apresentar), agora a Grécia tem de apresentar propostas concretas, exequíveis e convincentes de forma a conseguir manter-se na zona euro (se assim desejar) ou arcar com as consequencias de se afastar dessa mesma zona. E, como em tudo o que envolve política, o dinheiro éque manda.

O referendo grego nao foi uma irresponsabilidade, uma birra ou uma criancice. Foi, verdadeiramente, uma aula de democracia e coragem política. Os gregos rejeitaram um caminho e agora terao de criar um percurso alternativo. Deixemo-nos de falácias e palas políticas. Portugal teria algo a aprender com este exemplo. 

 

(porque será que os referendos helvéticos conseguem reunir imenso consenso e sao vistos como ponto de honra da democracia e os helénicos nao?)

publicado por Vita C às 09:23
Etiquetas: ,

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

34 seguidores

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
Visitantes
Por aqui
online
blogs SAPO