espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

06
Nov 10

 

Acredito que as pessoas, todas e sem excepção, merecem uma segunda oportunidade. Não acredito, porém, que as pessoas mereçam ducentésimas oportunidades.

Acredito ainda no sentido de famíla e nos Mosqueteiros de Dumas, "um por todos e todos por um". Sim, pode parecer antiquado, quando hoje em dia os valores se alteram à velocidade de um click. Das oportunidades, que se aceitam, se dão, mas não se vendem nem se compram. Mas cobram-se, porque o envolvimento é muito.

 

Recordo como se fosse hoje da primeira vez que me falaram em tentativas de suicídio em terapia. Do chão que foge e do refinamento que se adquire, do julgamento sensível na avaliação que se faz.

Da merda e das drogas que neste mundo se vendem e se compram, das idas ao Algarve para apoiar na ressaca, dos internamentos compulsivos. De me ter especializado em comportamentos aditivos e de serem dos poucos pacientes que optei por não seguir. De ouvir que nunca mais e o nunca mais durar dois dias. Do virar costas à família que sempre lá esteve, do luto feito em vida porque há máscaras que se tornam na própria pessoa.

E hoje, volvidas duas semanas de novas oportunidades, a sensação que mais uma vez, como se sabia, a força da puta da heroína é mais forte, daí o nome, (quase) ninguém lhe ganha. E a vontade de espetar dois sopapos bem pregados naquele gajo, quase 40 anos, mais de metade na merda, mais de metade a arrastar-nos na merda, e ninguém a pôr-lhe limites.

 

Acredito ainda que amanhã já terei outra compostura, outra posição, outra raiva e outro ser. Mas hoje, só hoje, preciso de um basta e de um murro na mesa.

publicado por Vita C às 14:14

Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

14
16
19

21
27

29


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

30 seguidores

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO