espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

11
Jan 16

Ver imagem original

 

Vi este fim de semana.

Houve qualquer coisa que me perturbou logo de início. Sou adepta fervorosa de thrillers, de filmes que nos mostrem o lado sombrio e obscuro da mente, que nos mostre de como os limites da sanidade se tornam moldáveis e flexíveis. 

Ainda assim, cheguei ao fim do filme (que, sem ser brilhante ou magistral, está bem construído sem cair muito no expectável) com um travo amargo. Algo me estava a incomodar e eu nem sequer estava a conseguir detectar muito bem o motivo. Existem varios níveis e formas de se manipular alguém (remeto, como sempre, para o - esse sim, brilhante e magistral - The Usual Suspects). E aqui era uma manipulação psicológica paradoxal, feroz, agressiva. 

E depois, analisando com alguma minúcia, percebi. Basicamente, é que é também com isto que lido no trabalho, todos os dias. Com sofrimento atroz, com desespero e egocentrismo, com raiva e fúria, com esta forma patologica de estar. Nem todo o meu dia de trabalho é este cenário, mas parte dele é, de facto, inacreditável para a maioria das pessoas. E quando procuro um filme, pretendo desligar-me do que me toca todos os dias, não a repetição disso mesmo. E, embora goste de thrillers e afins, este filme tem demasiada realidade para me fazer abstrair. 

Posto isto, o filme é, de facto, bom. Eventualmente, bom demais.

publicado por Vita C às 09:14
Etiquetas:

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

17
21
23

24
25
28

31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

31 seguidores

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
Visitantes
Por aqui
online
blogs SAPO