espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

27
Fev 10

A fidelidade dá-me tesão


Vai haver um dia, quando já nada restar, que a fidelidade será ensinada nos bancos da escola. Os professores exibirão nos seus quadros electrónicos gravuras antigas, que demonstram cabalmente que ela terá existido em tempos idos. E todas as crianças exclamarão com espanto como se tivessem a ver uma cidade perdida, entretanto submersa. A fidelidade está a perder-se como estas cidades: sabemos que existe, mas dificilmente a veremos.

A fidelidade passou de moda. Vai-se aos desfiles de Paris e Nova Iorque e ninguém a veste . A fidelidade tem uma cor ultrapassada e gasta, de meias grosssas, agora só encontrada em calendários baços de anos antigos. A fidelidade é passado, O futuro é dos polígamos e dos polígrafos. Dos polígamos, porque são eles que representam o pulsar exacto destes dias. Dos polígrafos, porque serão agora mais usados para percebermos como mente o presente. Por isso, detesto tanto o presente, de tal forma que o nego. Por mim, gostaria de viver sempre no passado ou no futuro, mas nunca hoje, sempre amanhã ou ontem. E isso até poderia ser possível, não tivessem os fundamentalistas do presente inquinado todos os que lhe são adversos, como são disso exemplo, os saudosistas e os futuristas. Reparem, que não existem presentistas, do mesmo modo que não existe presentismo. E porquê? Porque o presente não existe. Não tenham dúvidas, todos somos já passado ou futuro de algo. O presente, foi algo que inventaram quando alguém foi buscar água.

E é este presente inventado, este presente que não existe, que deixou de ter fidelidade a tudo: à praia, ao corte de cabelo que deveria ser sempre assim, às bolas de Berlim que só comeríamos no senhor Vítor, ao segredo que nos haviam dito para guardamos, à pessoa que juramos amor para sempre, ao clube, ao nosso irmão de sangue, a quem nos telefonou quando mais precisávamos, a este jornal, a estas linhas, ao homem, à mulher que todos os dias se deita connosco. Que lixe este presente, eu só quero futuro e passado, onde a fidelidade me dá tesão.

 

 

Capitão Alvim num dos seus melhores momentos.
(é o que dá ainda não se conseguir sair de casa)

publicado por Vita C às 13:35
Etiquetas:

2 comentários:
A verdade é uma: Apesar da persona dele, que tem certamente muito de real, ele escreve e pensa bem sobre estes e vários outros assuntos. O blogue dele é daqueles em que se lêem melhores textos sobre o amor, sobre Portugal, sobre as relações e as pessoas.
joão a 27 de Fevereiro de 2010 às 16:17

Concordo. Curiosamente não é um dos blogs que visito regularmente. É uma visita esporádica. Quando trabalhava numa loja de informática, som e electrodomésticos, via-o muitas vezes a comprar uns teclados manhosos, com um ar completamente surreal e de outro planeta. Não gosto de tudo o que faz nem de muita coisa que escreve. Mas de vez em quando sai-se assim com uns textos absolutamente certeiros. Este foi um deles.
Vita C a 27 de Fevereiro de 2010 às 20:28

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12

14
18
20

22
23
26



mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

30 seguidores

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO