espaço de mau feitio, alguma reflexão, música e outras panóplias coloridas

15
Nov 16

A propósito deste texto, em que João Miguel Tavares confunde a pessoalidade com o profissionalismo, transcrevo, na íntegra, a concisa, mas nem por isso menos extraordinária, resposta da Ana Matos Pires. Mereceu o meu aplauso, tanto como psicóloga como enquanto católica...

 

Claro que um psicólogo pode ser católico - e mais tudo o que ele quiser ou puder, até parvo -, dá-se o caso de, quando assume posições públicas como psicólogo, ter de saber... psicologia, independentemente do que o seu credo defende, ou da interpretação que faz daquilo que o seu credo defende. Portanto, João Miguel Tavares, a questão não é um psicólogo não poder ser católico mas antes um católico que é psicólogo ter de saber psicologia. Capice?

Alguém informe aí o JMT, por favor, acredito que informado, em sendo esclarecido, não dirá disparates. E digam-lhe, também, que um psicólogo (que não seja assassino) não mata, mas pode deixar morrer.

Adenda: E mais, um psicólogo, mesmo sendo católico (ou ateu, ou outra porra qualquer), está obrigado a preceitos deontológicos.

publicado por Vita C às 18:30
Etiquetas:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Novembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
16
18
19

21
22
24
26

27
29
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

32 seguidores

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
Visitantes
Por aqui
online
blogs SAPO